1

Qual a diferença entre violão clássico, erudito e violão popular?

Quando vamos estudar violão normalmente somos indagados, ou pela escola que vamos fazer matrícula ou até por conhecidos: vai estudar violão clássico ou popular?

Existe uma abordagem genérica sobre esse assunto, ou seja, uma forma comum que é aceita pela maioria das pessoas e há uma forma mais técnica de se falar sobre o tema.

* Veja também qual a diferença entre Guitarra e Violão

Abordagem comum

No geral as pessoas dividem o tema clássico e popular se referindo a:

 

* Violão Clássico (ou Erudito) = Tocar com partitura e técnicas apuradas. Você irá aprender nesses cursos músicas que exigem mais técnicas de dedilhado e solo, e vai aprender a tocar os clássicos da música erudita, tipo Bach, Carulli, Fernando Sor, etc. É necessário o aprendizado de partitura.

* Violão Popular = Batidas com acordes cifrados e tocar “a la vontê“, ou seja, tocar livremente sem requerimentos muito técnicos. Você vai aprender batidas, vai tocar músicas populares tipo Legião Urbana, música sertaneja, etc. “Talvez” até aprenda partitura e a fazer alguns solos. Depende do professor.

 

Se você apenas quer saber superficialmente a diferença entre os dois, pode parar de ler por aqui porque essa é a definição reconhecida pela maioria das pessoas. Mas se quer obter mais informações, continue a ler…

 

qual-diferença-entre-violao-classico-erudito-e-violao-popular

Essa definição é simplista. Eu diria que algumas pessoas que carregam essa definição (na maioria das vezes uma definição subconsciente) possuem, até certo ponto, algo de preconceituoso embutido nela.
Aliás, o preconceito a respeito do violão no Brasil é histórico. Antigamente, apenas andar com um violão pelas ruas servia até como agravante para prender supostos “malandros” com a insinuação: “Inclusive o meliante portava um violão…“. Você pensa que estou inventando?! Isso é verdade e pode ser encontrado em vários livros que contam a trajetória histórica do violão no nosso país. Leia por exemplo Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, e você terá um exemplo do preconceito que esse instrumento carregou no passado, e ainda carrega.
Em suma, violão já foi sinônimo de “vagabundagem” no Brasil. Talvez resquícios desse preconceito tenham sido herdados inconscientemente e perdurem ainda hoje no cérebro de alguns. Por isso observamos a aprovação de muitos quando uma pessoa diz: “eu estudo violão clássico”. Na cabeça delas, violão “clássico” é “mais chique” e, portanto, se afasta daquele estigma que possuía no passado.

 

A quebra do paradigma

Um dos grandes maestros da música brasileira e mundial foi o maior responsável pela quebra do preconceito ao violão: Heitor Villa-Lobos.
Villa-Lobos era profundo conhecedor da música erudita, da música clássica e da música brasileira e tratou de interagir entre esses elementos musicais, mesclando estilos clássicos e eruditos aos estilos nacionais, como música folclórica, indígena, nordestina, samba, choro, etc. Como ele também era violonista, compôs obras para o violão, quebrando o paradigma da “pobreza” musical tida por muitos por esse instrumento.

Villa-Lobos wikipedia oGuitarrista.com

Heitor Villa-Lobos

Villa-Lobos então juntou o popular ao erudito, demonstrando a riqueza da sonoridade e possibilidades do violão. Se não fosse ele, talvez ainda conservássemos muitos preconceitos do passado que seriam disseminados pela retórica acadêmica.

 

Uma outra abordagem…

Tendo em vista estes fatos que resumidamente foram expostos, podemos abordar o que é o “violão popular” e o dito “violão clássico ou erudito” de uma forma um pouco mais técnica (não que eu detenha a verdade sobre esses conceitos, apenas exponho uma tentativa de abrir nossos horizontes conceituais).

 

* Termo Música Erudita – É um termo utilizado para definir padrões estéticos aceitos pelos acadêmicos e profundos conhecedores técnicos do que é belo nas produções artísticas. São reconhecidas as obras criadas pela genialidade, pelo esmero na construção melódica e harmônica das composições, através de regras e preceitos concebidos por historiadores e especialistas da arte musical. Portanto, ao invés de “violão clássico”, o termo violão erudito é mais adequado para ser utilizado.

* Termo Música Clássica – Esse termo é por vezes um pouco mais abrangente e pode ser confundido porque é utilizado nas seguintes formas:
° 1) Música Clássica ou Classicismo – Período da música ocidental posterior ao período barroco que se desenvolveu do século XVIII até o início do século XIX. Destacam se principalmente nesse período os compositores Haydn e Mozart.
° 2) Clássico – Também é um termo que pode ser empregado quando uma música, seja qual for o estilo, acaba entrando para a história da humanidade de uma forma que a reconhecemos como representante de certos estilos ou de certa época. “Hotel California“, por exemplo, é um clássico do rock. Mas não é música erudita nem música clássica (séc. XVIII/XIX). Já Mozart é um clássico, é música clássica (definição 1), e é música erudita (veja a definição do termo música erudita acima).

* Termo música popular – É a música que engloba qualquer gênero musical acessível ao povo em geral. Podem estar envolvidas nessa definição a mpb, o sertanejo, o axé, o samba, o rock, o forró e até algumas músicas eruditas que são famosas e de conhecimento popular.
Geralmente se usa esse termo também para contrapor o termo música erudita, ou seja, para muitos ou a música é popular (grosso modo: do “povão”) ou é erudita (grosso modo: música para “ouvidos mais exigentes”). O que também é uma afirmação muita vaga, pois existem músicas populares feitas com bastante esmero técnico e de uma qualidade musical bastante profunda. E todo mundo conhece, por exemplo, Für Elise de Beethoven. Ou seja, além de erudita, com certeza ela é popular! Ora, toca até no caminhão de gás! (rs).

 

Sobre qual estudar

Então, se você vai estudar violão e está em dúvida quanto a estudar violão erudito (para mim o termo mais correto a ser usado) ou violão popular, tenha em mente o que foi dito e veja o que se encaixa em seu desejo.
Talvez você tenha certeza do que quer por ser conhecedor de música ou por outros motivos e diga: “Eu quero violão erudito com certeza”.
Mas se está em dúvida quanto ao qual escolher, eu indicaria para você começar com violão popular e, se seu interesse e paixão pelo instrumento for crescendo conforme for se desenvolvendo nos estudos, passar posteriormente para o violão erudito.
Pessoalmente eu sempre caminhei entre as duas vertentes, entre o popular e o erudito.
Talvez esse seja realmente o nosso jeito brasileiro de ser, assim como foi também o do nosso grande maestro Villa-Lobos que, apesar de toda sua genialidade, era um violonista popular e erudito!

Grande abraço! 

* Veja também qual a diferença entre Guitarra e Violão
 Pesquisar mais sobre o assunto do POST:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Heitor_Villa-Loboshttp://pt.wikipedia.org/wiki/Triste_Fim_de_Policarpo_Quaresma

http://dc.itamaraty.gov.br/imagens-e-textos/revista-textos-do-brasil/portugues/revista12-mat12.pdf

http://www.domain.adm.br/dem/licenciatura/monografia/henriquesouza.pdf

evaldo-devellis-guitarrista (Evaldo Devellis é guitarrista e compositor. Sua músicas instrumentais de guitarra podem ser ouvidas neste blog,  no site oGuitarrista.com e no site do MySpace.com )

Compartilhar (Share)
oGuitarrista

oGuitarrista

Evaldo Devellis - Guitarrista há 30 anos, foi autodidata em violão e guitarra. Posteriormente estudou com Faíska e Giácomo Bartoloni. Também cursou o Conservatório Souza Lima, Voice e IGT.

One Comment

Deixe seu comentário!